Paulo Verlings dirige “ELA”, texto original de Marcia Zanelatto que expõe a relação de três jovens mulheres diante da doença avassaladora.

Clara e Isabel são lindas, jovens, talentosas e vivem um grande amor. Mas o sentido da vida entra em xeque diante do diagnóstico de ELA. Cada vez mais ausente fisicamente o tempo de Clara se expande em sua vida interior, comparecendo em cena através de memórias e delírios que nos fazem pensar no que seja a mente humana. Enquanto isso, com apoio de Paula, médica e amiga de infância, Isabel dá conta da realidade, galgando íngremes fronteiras com poder e coragem que jamais soube que poderia ter. Embora a doença as tenha enfraquecido, ELA fortaleceu os laços que as une. Continuar lendo

Espetáculo contemporâneo e provocativo, “Adeus, Palhaços Mortos” chega ao Sesc Copacabana

“Adeus, Palhaços Mortos” foi um dos maiores sucessos da temporada teatral de 2016 na cidade de São Paulo. Cumpriu 2 temporadas, uma no Centro Cultural São Paulo e outra no TUSP – Teatro da USP. Além disso teve ótima recepção na crítica especializada como atestam a conquista do Prêmio Shell SP de Melhor Cenário; as 4 indicações ao Prêmio Aplauso Brasil (Melhor Figurino, Melhor Atriz, Melhor Direção e Melhor Espetáculo de Grupo); as 4 estrelas conferidas pelo guia da Veja SP; a escolha da peça como um dos 3 melhores espetáculos do ano pelos críticos do Guia d’O Estado de São Paulo; e o convite para o Festival Internacional World Stage Design 2017 que se realizará em julho na cidade de Taipei, em Taiwan. Continuar lendo

CCBB apresenta Luis Lobianco em “Gisberta”, drama baseado em fatos reais de transfobia

Com patrocínio do Banco do Brasil e realização do Centro Cultural Banco do Brasil, o espetáculo “Gisberta” estreia nacionalmente no dia 1º de março de 2017, no CCBB Rio de Janeiro. Idealizada por Luis Lobianco, com direção de produção de Claudia Marques, texto de Rafael Souza-Ribeiro e direção de Renato Carrera, a obra mistura política, história, música, teatro, poesia e ficção para falar de Gisberta, brasileira vítima da transfobia que teve morte trágica em 2006 no Porto, em Portugal, após ser torturada por um grupo de 14 menores de idade. Gisberta atravessou o oceano para buscar um território livre, mas morreu no fundo do poço, afogada em ódio e água. Continuar lendo

Debora Lamm celebra 20 anos de carreira estrelando seu primeiro solo “Mata teu Pai”, inspirado no mito Medéia

A peça “Mata teu Pai”, de Grace Passô, é uma livre adaptação do mito de Medéia e foi escrita especialmente para a atriz Debora Lamm, com direção de Inez Viana e direção de produção de Claudia Marques. Neste nov projeto da Cia OmondÉ, entre expatriados e imigrantes, Medéia questiona valores atuais, como o feminismo e o preconceito.

Continuar lendo

Gerald Thomas lança autobiografia no Rio e São Paulo

Artista completo, pintor inclusive, Gerald Thomas justifica, neste Entre duas fileiras, o clichê que compara um livro a um quadro – um grande painel, para ser exato. Afinal, as coisas são como são, e associações simples não raro têm o melhor olhar para tramas complexas. Sim, este livro é uma tela de largas dimensões. Mas não se trata de retrato, não um convencional, tampouco de algo comprometido com a realidade, essa careta, muito menos desprovido de movimento – porque Gerald, cujo fascínio pela estrada se revelará nestas páginas, é a própria velocidade, o próprio trânsito. Não à toa o artista-escritor tanto se refere a “Guernica”, de Pablo Picasso, neste autobiografia. O lance, aqui, é a verdade. Não uma moralista, que julga e se impõe. Mas a única possível a um criador nato: a individual. Continuar lendo

O Teatro do Oprimido por Bárbara Santos

Radicada em Berlim desde 2009, a socióloga Bárbara Santos chega ao Brasil nesta quarta-feira (26) para lançar seu livro Teatro do Oprimido, Raízes e Asas: uma teoria da práxis em noites de autógrafos e seminários no Rio de Janeiro, São Paulo e Fortaleza. Editado pela Ibis Libris, no Rio de Janeiro o livro será lançado no dia 7 de novembro, às 19h, na Livraria da Travessa de Botafogo, localizada na Rua Voluntários da Pátria, 97, no bairro de Botafogo. A obra combina teoria e prática para a análise do método do Teatro do Oprimido, criado por Augusto Boal, propondo uma discussão – consistente e acessível – sobre os conceitos que fundamentam o método em articulação com os avanços e desafios de sua Práxis. A abordagem didática facilita a compreensão tanto da estrutura dramática e pedagógica do método quanto da especificidade de sua estética. A diversidade de exemplos contextualiza a teoria e joga luz sobre questões éticas, filosóficas e políticas que envolvem a aplicação do método, características que qualificam esta publicação para o ensino formal e/ou informal do método do Teatro do Oprimido. Continuar lendo